Marca Google sendo examinadaO deus da internet, após anúncio em fevereiro, irá implementar – no próximo dia 21 de abril – mudanças em seu algoritmo. Muita gente acaba lendo sobre essas mudanças, afinal, tudo que a gigante das redes faz é motivo de algum movimento de reação, mas quase sempre não se entende muito bem. Mudança no algoritmo, na prática, significa que a maneira como o buscador elege os piores e melhores sites, videos, imagens, etc, para mostar como resultado da busca, vai sofrer mudanças.

Quem não deve, não teme.

Para aquelas organizações que já levam em consideração o enorme acesso dos clientes em meios portáteis como tablets e smartphones (já estamos em metade dos acessos), não muda muita coisa. O que muda com mais peso para baixo é o ranking dos sites que não se adaptam ou tem versões muito ruins para o meio mobile. Se você já conhece termos como site responsivo ou já oferece um diferencial usando o potencial dos aplicativos, parabéns! É como se o Google lhe desse um curtir enorme!

Esses são, essencialmente os dois pontos da mudança: privilegiar no ranking sites com boas versões mobile e exibir nas buscas aplicativos instalados consoantes à palavra-chave buscada.

Já temos artigo comentando sobre sites fazerem dinheiro para suas empresas. E então? O que você está esperando?

É mais que necessário transformar seu site em uma ferramenta eficiente para gerar receita, senão, educar e atrair novos clientes para sua empresa. Invista aos poucos e habite os meios que tem a ver com seu segmento. É dessa forma dinâmica que os usuários encaram a web. Pense em você. Como você se relaciona com sites que trazem conteúdos que você tem alto interesse?

Aplicativos: formas de entrar na vida dos clientes

Atualmente já não é algo inacessível e distante pensar um aplicativo para complementar as pontes que sua organização cria para seu público. Aliás, como nos sites, já se espera diferencial na forma como você molda e entrega as informações que ele deseja. Faça-se perguntas como “Como posso interferir no dia-a-dia dos meus clientes de forma a poupar tempo e garantir mobilidade no meu segmento?”. Os celulares estão sempre conosco, em todo lugar e não entramos mais na internet. Pense, é como a rede elétrica: desfrutamos da internet todo o tempo. Certamente há um gap a preencher ou um nicho a criar.

O novo é algo que aprendemos a notar e a lidar constantemente. Indo além: até mesmo o desejamos!